quarta-feira, março 12, 2008

"O poder da "Rua"

"As impressionantes manifestações registadas nas últimas semanas, e continuadas um pouco por toda a parte, assumem a forma e o conteúdo de um severo depoimento contra o Governo. Não se trata de turbulências comunistas, como já o disse José Sócrates e, iradamente, o repetiu Augusto Santos Silva, cujas "verdades" surgem cada vez mais avariadas. A "rua" foi a demonstração categórica do desequilíbrio entre quem pensa em termos estatísticos e quem é vítima desse equívoco. E uma vigorosa afirmação de civismo. Há dias, conversei com Raul Solnado sobre a natureza do Estado e o domínio pelo domínio exercido, repetidamente, pelo Governo, esquecido de que a força da República é a virtude, e a sua fraqueza a soberba. Sobre ser um amigo de há mais de 40 anos, Solnado é homem sábio, de frase pensada e advertida inteligência, com quem apetece discretear. Disse: "Gostaríamos de sentir que este Governo tem vontade de transformar e de modernizar o País. Por outro lado, a sua arrogância e autismo quer arrastá-lo para uma democracia musculada, o que é assustador. Eles distanciaram-se de nós."

A tentação de se construir contra o outro destrói o laço social, fonte e apoio do tecido colectivo, assinalado por Solnado como silogismo. E essas regras perturbadoras têm por objectivo limitar a interferência cívica e proteger o autoritarismo governamental. O facto de este Governo dispor de maioria absoluta não significa que actue em absolutismo. Há, manifestamente, ausência de diálogo e um poderoso dispositivo autoritário que liquidam a coexistência de duas sinalizações fundamentais em democracia: a dos governantes e a dos governados.

Perdeu-se de vista o reconhecimento da igualdade, do direito de protesto e do dever de memória. Este Governo criou uma tensão dramática de tal ordem e um destempero de tal jaez que levaram o primeiro-ministro a afirmar-se indiferente para com a imponente manifestação dos professores, invocando uma "razão" cuja natureza só poderá ser explicada através da nebulosa em que ele parece viver.

A arrogância é uma deformação moral; o preconceito, uma doença de educação; o desdém, uma chaga de quem se presume superior. Sócrates criou uma criatura que escapou ao seu controlo. Não pode mudar: de contrário, deixa de ser quem julga ser. E, sendo-o, na obstinação de quem não tem dúvidas, perde o respeito daqueles para os quais a democracia não existe sem comunicação.

Ao contrário de alguns preopinantes, suponho que, se a ministra da Educação fosse embora, abrir-se-iam as portas ao diálogo. Porque (é inevitável) irão aparecer novas regras de jogo e outras instâncias de organização que terão em conta as específicas oscilações históricas. Nascidas, não o esqueçamos, da "rua"."

Baptista-Bastos, O poder da "rua", no DN de hoje.

Isto leva-me a perguntar, quem tem que ficar assustado com a ideia de desobediência civil que desta força possa ocorrer? Isto é, quem tem medo da desobediência civil numa sociedade democrática e mesmo com um governo sufragado por uma maioria absoluta?

1 comentário:

Teresa Marques disse...

Subscrevo e transcrevo:

"Se um dia um aluno me perguntasse o que é o despotismo esclarecido, eu dir-lhe-ia qualquer coisa assim:
Bem... despotismo esclarecido é, se calhar, aquilo que a nossa Ministra da Educação pensa que é ou que está a fazer. É pensar que é boa pessoa, que sabe o que é bom para os outros; e pensar que mais ninguém sabe, só ela é que sabe, por isso tem de decidir tudo sozinha. E pensa que não há problema nenhum porque ela acredita piamente que sabe - sabe tudo! - e que é boa pessoa. Os outros é que não sabem. Já viste as vezes que a Senhora Ministra da Educação já disse "Os professores não sabem do que estão a falar"?...
E se depois o aluno me perguntasse se, como a pessoa é boa (ou, pelo menos, pensa que é boa), o despotismo esclarecido é uma coisa boa, eu talvez lhe respondesse desta maneira:
Não sei se a questão é o despotismo esclarecido ser uma coisa boa, ou não. A questão é saber se qualquer forma de despotismo esclarecido é legítima nos regimes políticos democráticos actuais. Será que o despotismo esclarecido é capaz de estimular o desenvolvimento dos comportamentos políticos amadurecidos dos cidadãos?..."
(retirado do blog: http://fernandonaescola.blogspot.com/)

A manifestação de professores demonstrou uma força de grupo social que não pensei ser possível na classe docente. Espantei-me com a coragem da união demonstrada. Foi uma caminhada de quem quis mostrar ao país que somos muitos, quando queremos, e que, decerto temos uma palavra a dizer sobre o que se quer fazer com a Educação.
Muitos houve que se espantaram...
Alguns os que se questionam sobre o impacto que tal força terá no curso da História...
Outros, (bastantes...) que se regozijam por lá ter estado qual newton num campo de forças em movimento...