quarta-feira, novembro 04, 2009

Este meu país... quando as coisas que parecem já o são.

Opinião - Jornal de Notícias: "Há uns anos, na cadeia de Paços de Ferreira, dizia-me o 'capo' da máfia calabresa Emílio di Giovinni, condenado em Portugal a 16 anos de prisão e extraditado depois para Itália, onde apareceu morto na cela: 'Portugal é um paraíso!'. Referia-se, não à doçura do clima, mas à das leis penais e processuais penais que, manietando os tribunais, fazem hoje de Portugal, do mesmo modo que alguns países são destinos de turismo sexual, destino privilegiado de turismo criminal.
Ora porque não haveriam os criminosos e corruptos nacionais de usufruir também de tão aprazível e condescendente clima penal? O que se vai sabendo da recente operação 'Face Oculta' dá uma ideia da quantidade de gente fina (empresários, políticos, gestores públicos…) que tem enriquecido à sombra da estranha (?) inacção de governos e AR no combate à corrupção. Todos os dias se conhecem novos braços do polvo: REN, REFER, CP, EDP, GALP, Estradas de Portugal, Carris, CTT, IDD, EMEF, Portos de Setúbal, Estaleiros de Viana, Lisnave, Portucel, autarquias… O país tresanda de alto a baixo; o problema é que uma barrela não interessa a ninguém."

Manuel António Pina, "Um país que tresanada"

1 comentário:

irisjorge disse...

o Emilio apareceu morto numa cela??? As noticias k tnh é k está vivo...onde recolheu tal informação????