sexta-feira, dezembro 07, 2007

Cimeira UE/África: Lisboa é quase, quase uma festa

Aspectos positivos para nós portugueses: ouvirmos tanto falar de África, e recebermo-la na nossa casa.

É uma alegria ouvir falar não só dos problemas de África, mas de África política e económica e dos seus valores morais e culturais, das suas pessoas, das suas propostas e dos seus êxitos. De repente vejo e ouço analistas políticos que nunca tinha ouvido, jornalistas africanos que raramente têm espaço na nossa rede mediática. Discursos inteligentes sobre África. Gosto que me falem do êxito do Mali, do modelo político de Cabo Verde, da adaptação aos modelos culturais europeus e das ricas tradições orais africanas e a sua relação com o poder político, numa redescoberta de normas assentes na honra e na palavra. Gosto que procurem explicações novas para os seus problemas, ao invés da incontornável, mas já estafada, porque daí já nada se pode fazer a não ser reconhecer os erros graves do passado, desculpa com o colonialismo.


Aspectos negativos: todas as ONG os estão a realçar muito bem. Lisboa é por estes dias não só um desfile de vaidades de líderes corruptos, autoritários e antidemocráticos, mas também um espaço de encontro de boas vontades e de consciências. Lisboa seria uma festa não fora os muitos milhões que não podem sentar-se a uma mesa para festejarem connosco.

2 comentários:

altohama disse...

Uma festa para os poucos que têm milhões. Quanto aos milhões que têm pouco, ou nada, continuarão a ter ainda menos.

Cumprimentos do

Alto Hama

ism disse...

Cumprimentos.
isabel