quarta-feira, Abril 16, 2008

Onde fica a direita e a esquerda neste retrato? 2

"A vitória dos porcos"


"(...)Naturalmente, precisamos de uma "outra" esquerda; mas, também, de uma "outra" direita. O recenseamento das abdicações mútuas (da direita e da esquerda) produziu populistas sem escrúpulos e um rol infindável de crimes.

Nem revolta nem revolução. O que se nos propõe como realidade está repleto de logros, embustes e ilusões. Em nome da "democracia liberal" (que mais não é do que "democracia financeira") há a intenção de se instaurar e consolidar uma ordem despótica. Não há alternativa, proclamam. Há. Desde que a regulação dos conflitos admita que as formas de infelicidade social têm origem nas deformações políticas.
(...)

Baptista-Bastos
escritor e jornalista in DN


Um excelente artigo, mais um, de Baptista-Bastos.


Penso na esquerda e nos seus problemas com o ideário da diferença e com a consequente reflexão de a cada um aquilo que ele merece no quadro dos deveres e direitos de um estado de direito e das instituições a que se encontra adstrito por consentimento próprio ou delegado em quem de direito.
Penso na direita e nos seus problemas com o ideário da igualdade e com a consequente reflexão sobre a necessidade de regulação estatal no assegurar desse alargamento universal para as condições institucionais que fomentem a igualdade de oportunidades sociais e políticas.
No meio o ioiô da luta pelos interesses individuais.

O sistema de educação neste momento é o reflexo do pior que a ideologia de esquerda e de direita têm feito no país. Quando as escolas públicas estiverem americanizadas ao nível de todos andarmos de faca na liga sempre que por qualquer motivo lá tivermos que entrar, quando aquele espaço for o abrigo definitivo para oportunistas seres que vivem de parasitar o sistema democrático para imporem a sua lei, que é a da força e a da boçalidade, quando se tornar um refúgio para a pequena criminalidade a preparar-se para quando for "grande", então...todos os que para isso contribuíram estarão no sistema particular a usufruírem das mordomias, e a porem a mão no peito contristados com a ideia de que tentaram, quando eram "puros" e "idealistas", fazer uma sociedade com educação geral e gratuita e só não o conseguiram em nome da natureza de um povo dito resistente à civilização.
Desgraçadamente não conhecem os valores do cumprimento de regras sociais, da diferenciação do ensino em idade adequada, em ensino técnico-profissional e liceal, desde que ambos ofereçam excelentes meios para formar os seus alunos, mas com rigorosas possibilidades, claras e insofismáveis, de gratificar os que nele se esforçarem a empenharem, e penalizar com trabalho comunitário todos aqueles que desbaratarem a aplicação de recursos nacionais nas suas pessoas.

Sem comentários: